CIÊNCIA / TECNOLOGIA

Brasil é o país mais atacado por vírus bancário em 2014, diz empresa



A fabricante de antivírus Kaspersky Lab divulgou dados consolidados para o ano de 2014 nesta segunda-feira (8). O relatório identifica o Brasil como o país mais atacado por pragas destinadas ao roubo de senhas bancárias. De acordo com os dados da empresa, 299.830 usuários sofreram ataques.

A Kaspersky destacou o número de ataques durante a Copa do Mundo. A quantidade subiu consideravelmente em maio e junho. Os criminosos esperavam roubar os dados de turistas, segundo a companhia. No mesmo índice, o Brasil é seguido pela Rússia (251.917 usuários atacados) e pela Alemanha (155.773).

Os rankings de países que mais tiveram infecções em celulares e em computadores com Mac OS X também têm presença brasileira. Os números do Brasil, porém, são bem inferiores aos líderes desses índices: no caso dos vírus celulares, o Brasil está na 10ª posição, com 1,6% dos usuários atacados, contra 45,7% da Rússia, que está em primeiro lugar. Em ataques a sistemas Mac OS X, o Brasil aparece em 9ª lugar, com 2,22% dos ataques. Os líderes Estados Unidos e Alemanha tiveram 39,14% e 12,56% dos ataques, respectivamente.

O Brasil não aparece na lista de países atacados por pragas digitais bancárias para celulares. Em novembro, o Google removeu dois aplicativos falsos de bancos brasileiros do Google Play, marcando a primeira vez que um ataque desse tipo foi registrado contra usuários brasileiros.

A Kaspersky Lab contabiliza ainda um índice de "risco" de segurança que mede a "hostilidade" do ambiente on-line e off-line de cada país, medida pela quantidade de usuários que sofrem alguma tentativa de ataque. O Brasil não aparece entre os 20 países mais hostis, mas é considerado um país de "risco" no ambiente on-line (32,1% dos usuários sofrem ataques) e de "alto risco" (46,5%) no ambiente off-line.

A Rússia lidera o ranking de hostilidade on-line: mais da metade (53,81% dos usuários) sofrem algum ataque. Para ameaças off-line, o líder é o Vietnã, onde 69,58% são atacados. A Kaspersky Lab calcula esses números com base no número de detecções e alertas de seus produtos de segurança.

Fonte: G1
Foto: Divulgação

Postagens mais visitadas