Ciência / Tecnologia: Empresa japonesa quer ser pioneira na exploração de minérios na Lua

Empresa japonesa quer ser pioneira na exploração de minérios na Lua



Uma empresa startup do Japão quer ser pioneira em pesquisar a existência de recursos minerais na superfície da Lua com veículos robotizados e, posteriormente, vender suas descobertas a empresas mineradoras.

"Descobriremos onde se distribuem elementos como as terras raras mediante a análise da areia e das camadas usando as câmeras de entre 10 e 100 veículos robotizados", disse nesta segunda-feira (22) ao jornal econômico "Nikkei" o executivo-chefe da empresa ispace, Takeshi Hakamada.

No entanto, a companhia, fundada em 2013, ainda está arrecadando fundos para poder mandar seu primeiro jipe à Lua, o que espera que seja lançado em torno da segunda metade de 2016 pelo operador aeroespacial privado americano SpaceX.

Prêmio do Google
O objetivo, além disso, é que este primeiro veículo participe de um concurso convocado pelo gigante tecnológico Google, pelo qual 15 equipes devem conseguir que seu veículo percorra 500 metros sobre a Lua e envie vídeo e fotos outra vez à Terra. A primeira equipe que conseguir vai levar um prêmio de US$ 20 milhões.

O prêmio é mais do que o dobro que o investimento inicial de cerca de US$ 8 milhões que a ispace precisa arrecadar para lançar em 2016 sua sonda e, conta Hakamada, representa a melhor publicidade para começar a enviar veículos de exploração antes do ano de 2023.

A empresa arrecadou quase a metade desse orçamento graças ao patrocínio que acertou por enquanto com o grupo de maquinaria pesada IHI e lojas de departamento Mitsukoshi.

Para o concurso - chamado Google Lunar Xprize - a equipe da ispace deve explorar uma área lunar conhecida como Lacus Mortis com um veículo desenvolvido por especialistas da universidade japonesa de Tohoku e engenheiros voluntários.

À frente da equipe de desenvolvimento está o professor Kazuya Yoshida, que já contribuiu para a criação de outro veículo da agência aeroespacial japonesa chamado Hayabusa-2.

Fonte: G1
Foto: Nasa/JPL
Página anterior Próxima página